Já ouviu falar em CDB?

Você emprestaria R$500 para um banco de sua preferência hoje se ele prometesse te pagar R$600 daqui a 2 anos? Então, isso é o CDB. Mas por que eles fariam essa bondade toda? Bem, eles sabem que ao mesmo tempo tem uma fila de pessoas lá na mesa do gerente pedindo R$500 emprestados e prometendo pagar R$700 (ou até mais). Ao final de dois anos, além de ter feito 2 clientes felizes (o investidor e o tomador de empréstimo) o banco ainda embolsa cemzinho.

O CDB, ou Certificado de Depósito Bancário, é um dos principais tipos de investimento de renda fixa (leia mais na publicação Conheça os principais tipos de investimentos) oferecido pelos bancos. Quando você investe em um CDB, o banco se compromete a te devolver o dinheiro investido ao final do prazo acordado, acrescido de um rendimento fixo (prefixado), tipo 10% ao ano, ou proporcional a algum índice, como 118% do CDI (pós-fixado), por exemplo.

Assim como o Tesouro Direto, o CDB é uma ótima alternativa de investimento de baixo risco, sendo uma boa opção para diversificar o seu patrimônio. Não é difícil encontrar CDBs sendo oferecidos com rendimentos acima do Tesouro Direto.

E como investir? Se você ligar para o seu banco em busca de investimentos, tem grandes chances de ouvir algumas opções de CDB como resposta do seu gerente. O único problema é que as taxas de juros oferecidas pelos bancos grandes não são tão atrativas. Ou seja, você empresta (investe) R$500 e eles retornam apenas R$550 depois de 2 anos, por exemplo. Para conseguir opções mais atrativas com taxas de juros mais altas, basta buscar no site da sua corretora. Sim, aquela mesma que você abriu a sua conta ao ler o texto Comece a investir no Tesouro Direto com apenas R$45. Não abriu a conta ainda? Corra lá e abra agora!

tabelacdbGeralmente, nos sites das corretoras aparece uma lista com vários CDBs oferecidos por vários bancos diferentes (veja a figura com exemplo de CBDs disponíveis no dia em que escrevo esse post – mudei apenas os nomes dos bancos). Basta escolher um que se encaixe no seu perfil de risco e que esteja alinhado com os seus objetivos de prazo e rentabilidade. Fique tranquilo, pois a corretora é apenas uma intermediadora. O seu dinheiro estará investido diretamente com o banco.

Você encontrará, por exemplo, dois bancos diferentes oferecendo CDBs com rentabilidades bem diferentes. Por exemplo, um oferecendo 100% do CDI e outro oferecendo 119% do CDI. Talvez até o mesmo banco poderia oferecer estes dois CDBs. Só que se olhar em mais detalhes no site, você perceberá que um CDB permite um investimento mínimo de R$1000 enquanto o outro exige um investimento mínimo de R$5000, por exemplo. Além disso, um pode permitir o saque a qualquer momento (sendo uma boa opção para reserva de emergência), enquanto o outro pode exigir uma carência mínima de 3 anos de permanência, por exemplo. Então, preste atenção nos prazos e nas exigências de investimento mínimo antes de decidir. Se investir em um que tenha uma carência alta, você provavelmente terá uma boa rentabilidade, mas o seu dinheiro ficará “preso” nesse período. Programe-se para não se enrolar.

A essa altura você deve estar se perguntando se isso é seguro. Como eu falei, você está estabelecendo um contrato diretamente com o banco. O maior risco seria se o banco “quebrasse”. Por isso, os bancos menores (mais arriscados) oferecem taxas mais altas para encorajar os investidores. Mas acontece que independente do banco, todo contrato de CDB é protegido pela garantia do FGC (a mesma que é dada para a poupança), limitado a R$250mil por investidor em cada banco. Portanto, mesmo se o banco quebrar você ainda estaria protegido, desde que esteja abaixo desse limite. Estudaremos sobre FGC (ou Fundo Garantidor de Crédito) em publicações futuras.

Ah, só mais uma coisa. Quando for fazer a comparação entre CDB e outros investimentos, não esqueça de considerar o imposto de renda. No CDB o IR é descontado apenas sobre o rendimento da seguinte forma: investindo até 180 dias, paga-se 22,5% de IR; até 360 dias, paga-se 20%; até 720 dias, 17,5%; acima de 720 dias, paga-se o mínimo, que é 15%. Mas fique tranquilo pois o banco desconta o IR antes de retornar o dinheiro no final do período, então não precisa se preocupar em fazer essas contas. Além disso, lembre-se que o IOF é cobrado sobre o rendimento se o dinheiro for resgatado antes dos primeiros 30 dias, o que nem é recomendado.

Bons investimentos! E não deixe de dividir esse texto com seus amigos e familiares para ajudar a multiplicar esse conhecimento e o padrimônio deles.

Observação: note que para calcular um percentual do CDI, basta multiplicar esse percentual pelo valor do CDI (ou DI) que pode ser consultado no site da Cetip (o CDI era 6,89% a.a. no dia em que escrevo esse post). Por exemplo, 114% do CDI = 114% x 6,89% = 7,85% ao ano.

14 respostas em “Já ouviu falar em CDB?

  1. Pingback: Diversificação em renda variável | A Tal Independência Financeira

  2. Pingback: FGC – Fundo Garantidor de Crédito | A Tal Independência Financeira

  3. Pingback: Planilha para comparar seus investimentos | A Tal Independência Financeira

  4. Pingback: CRI e CRA (eu sei, mais siglas!) | A Tal Independência Financeira

  5. Pingback: LCI e LCA, mais seis letrinhas para a coleção | A Tal Independência Financeira

  6. Pingback: O Procrastinador do Futuro | A Tal Independência Financeira

  7. Excelentes explicações.
    Gostei muito da observação final sobre como calcular o percentual do cdi. Não sabia que era assim.
    Vlw

  8. Excelentes dicas, eu nunca me atentei para estes detalhes que podem fazer toda a diferenca. Obrigada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s