Conheça os principais tipos de investimentos

Há uns 20 anos eu fui passar um feriado com um grupo de amigos em Ilha Grande, no Rio de Janeiro. Logo no primeiro dia nós resolvemos fazer uma caminhada até o outro lado da ilha. O lugar era bem isolado e a caminhada embaixo daquele sol foi desgastante. Só conseguíamos pensar naquela Coca-Cola bem gelada. A vendinha do Seu Antônio parecia até uma miragem. Assim como o preço da Coca-Cola de 2 litros: R$14,00!!! (naquela época uma garrafa de 2 litros não custava mais que R$1,00 em condições normais). Meu amigo estava sem dinheiro e pediu para eu comprar, prometendo me ressarcir depois. Paguei os R$14,00 e recuperamos as energias com 1 litro de Coca-Cola para cada. Alguns meses se passaram até que meu amigo finalmente resolveu pagar a sua dívida. Mas ao invés de me devolver R$7,00, o malandro chegou lá em casa com uma garrafa de 2 litros pela metade!

coca-colaEu aprendi a lição! Desde então eu sempre avalio o tipo de contrato na hora de emprestar dinheiro. A mesma coisa acontece com seus investimentos. Você sabia que, ao investir, você está emprestando dinheiro para os bancos, empresas ou governo? Essa é a forma que eles têm de captar recursos para financiar seus projetos. O contrato que você faz com essas instituições na hora da aplicação estabelece o tipo de remuneração (ou ressarcimento) acrescido de juros, como forma de “agradecimento” pela sua colaboração.

No geral, os investimentos dividem-se em dois grandes grupos: Renda Fixa e Renda Variável.

Renda Fixa
Nos investimentos em renda fixa a forma de cálculo da remuneração já é conhecida no momento da contratação, ou seja, na hora em que investe, você já sabe se vai receber R$7,00 ou meio litro de Coca-Cola no final do contrato. Nessa categoria estão, por exemplo, os empréstimos ao governo através do Tesouro Direto, empréstimos aos bancos e instituições financeiras através de CDB, LCI, LCA, e empréstimos a empresas privadas através de CRI, CRA e Debêntures (lembrando que os rendimentos de investimentos em LCI, LCA, CRI e CRA são isentos de imposto de renda). Dependendo do contrato, os investimentos em renda fixa podem ser de renda fixa prefixada, pós-fixada ou híbridas.

  • Prefixados: nesses investimentos a rentabilidade é fixada na hora da contratação. Por exemplo, na data em que escrevo esse texto é possível investir em títulos do Tesouro chamados LTN que remuneram a uma taxa prefixada de 7,86% ao ano, se contratado até 2020, ou de 9,37% ao ano, se contratado até 2023. Também é possível encontrar, por exemplo, CDBs que remuneram a 8,56% ao ano se contratados até 2020, com investimento mínimo de R$10mil.
  • Pós-fixados: apesar de serem investimentos de renda fixa, a rentabilidade dos pós-fixados é atrelada a algum índice estabelecido no momento do contrato. Por exemplo, o título do Tesouro chamado LTF (ou Selic) vai te remunerar de acordo com a variação da taxa Selic. Neste caso você ainda não sabe exatamente o quanto receberá, mas tem a certeza que o investimento será corrigido por um índice que acompanha a economia do país (leia mais em A tal da Selic e do CDI: entenda de uma vez por todas). Outros exemplos têm sua rentabilidade atreladas à taxa CDI do período, como, por exemplo, um CDB que rende 118% do CDI, se investido até 2021, com investimento mínimo de R$5mil, ou um LCA que rende 94% do CDI, se investido por um prazo de 3 anos, com investimento mínimo de R$50mil.
  • Híbridos: esses investimentos são uma combinação dos dois tipos anteriores, possuindo uma parcela pré e uma pós-fixada, como o título Tesouro IPCA (ou NTNB), por exemplo. No momento em que escrevo este texto, existe um título Tesouro IPCA com vencimento para 2024 que remunera IPCA + 5,1% ao ano. Ou seja, apesar de ter uma parcela prefixada, esse título também é indexado a um índice, só que nesse caso ele segue a variação da inflação do período (também conhecida como IPCA). Logo, independente da inflação ser alta ou baixa, você estará recebendo uma rentabilidade de 5,1% ao ano acima dela até 2024. As Debêntures também podem oferecer opções de rentabilidade híbrida. No momento em que escrevo esse post é possível encontrar uma Debênture que rende IPCA + 8%, se investido até 2021, com investimento mínimo de R$11mil.

Renda Variável
Nos investimentos em renda variável nós não sabemos qual será a rentabilidade no momento da contratação. Ela pode ser maior, igual ou até menor que o valor investido. Devido a essa incerteza, investimentos em renda variável são considerados de maior risco e não são recomendados para investidores mais conservadores ou inexperientes. O exemplo mais conhecido de renda variável é o investimento em Ações. Como os preços das ações estão constantemente mudando para cima e para baixo, o investidor não tem nenhuma garantia que conseguirá um preço mais alto na hora de vender uma ação comprada anteriormente. Outros exemplos incluem Fundos, Câmbio e Derivativos. Apesar de mais arriscados, investimentos em renda variável podem oferecer rentabilidades muito maiores que na renda fixa.

Mas pra que tantos tipos de investimentos diferentes? Como devo escolher meus investimentos? Bem, depende! Você quer ter a garantia de que conseguirá comprar a mesma Coca-Cola independente do preço no futuro? Ou prefere a certeza de que receberá os R$7,00 investidos? Você aceita correr o risco de receber uma Coca quente ou sem gás? Você tem pressa para receber esse dinheiro? E se a sua sede tiver aumentado? É esse tipo de pergunta que o investidor precisa se fazer na hora da decisão de investimento (ou mais ou menos assim). No fundo, o importante é você criar uma carteira diversificando os seus investimentos dentre esses diferentes produtos, de acordo com os seus objetivos de curto, médio e longo prazo. Além de reduzir o risco, você terá maiores chances de possuir produtos que estão em alta independente do momento da economia. Como? Vamos aprender juntos nas próximas publicações deste blog.

———~~~———

Clique aqui e cadastre seu email para receber notificação sobre novas publicações.

9 respostas em “Conheça os principais tipos de investimentos

  1. Pingback: A taxa Selic caiu, e agora!? | A Tal Independência Financeira

  2. Pingback: CRI e CRA (eu sei, mais siglas!) | A Tal Independência Financeira

  3. Pingback: LCI e LCA, mais seis letrinhas para a coleção | A Tal Independência Financeira

  4. Pingback: O Procrastinador do Futuro | A Tal Independência Financeira

  5. Pingback: Já ouviu falar em CDB? | A Tal Independência Financeira

  6. Só espero que o malandro da Coca-Cola não tenha sido eu … 😉
    Bons tempos aqueles … e bom texto sobre as opções de investimento. Sempre seguindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s