Comece a investir no Tesouro Direto com apenas R$45

Poucos dias depois de publicar o texto “O tempo passou, o tempo voou, e a sua poupança continua de mal a pior”, eu me deparo com a notícia de que os depósitos na poupança superaram os saques em R$17,12 bilhões. Por um lado, essa é uma indicação positiva de que as pessoas estão poupando mais que gastando. Por outro, como já vimos, não podemos dizer que estão necessariamente investindo. Mas eu não vou desistir de vocês! Vou te dar o mapa do tesouro! Do Tesouro Direto!

A intenção aqui não é fazer uma análise detalhada (talvez em uma postagem futura). Meu objetivo no momento é te ajudar a dar o pontapé inicial, que é o mais difícil para a maioria das pessoas. Vou te desafiar a investir os seus primeiros R$45. Pretendo te mostrar que você não precisa ser um pirata para ter seu próprio tesouro. Sim, ao contrário do que você pensa, isso não é nada complicado. Com pouco dinheiro você já pode começar a investir e desfrutar de rendimentos superiores aos de muitos produtos oferecidos pelo gerente do seu banco. Não tem desculpas!

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a BM&F Bovespa para venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, por meio da Internet. Os títulos públicos são ativos de renda fixa, ou seja, você já tem ideia do rendimento no momento em que faz o investimento e, por isso, estão na categoria de investimentos conservadores. Na prática, você está emprestando dinheiro para o governo em troca de uma promessa de receber uma remuneração com juros no futuro. Essa é uma das formas que o governo tem de captar recursos para serem investidos em saúde, educação, infraestrutura, entre outros. Isso mesmo, ao investir no Tesouro você está emprestando dinheiro para o Brasil. Muito obrigado!

E isso é seguro? Bem, se o Brasil quebrasse, o governo não teria como te pagar. Mas antes que isso acontecesse, eles simplesmente emitiriam mais títulos e, com parte do dinheiro arrecadado, pagariam os títulos que estão vencendo e o ciclo continuaria.

Mas por onde começar?

1. Escolha uma corretora e abra a sua conta hoje!

O seu banco provavelmente faz operações com o Tesouro Direto. Eles só não te contam porque isso não é lucrativo para eles em comparação aos outros produtos que os gerentes recebem incentivos para vender. Por outro lado, as taxas de administração cobradas pelos bancos são, em geral, bem mais altas que as das corretoras. O site do Tesouro Nacional mostra uma lista com as instituições financeiras que operam no Tesouro Direto, bem como as taxas cobradas. A minha sugestão é que você escolha uma corretora que tenha uma taxa de administração igual a zero, como a XP Investimentos, Easynvest, ou Socopa, e abra a sua conta hoje mesmo, caso já não tenha uma.

Além de não cobrar taxas, através de uma corretora você ainda vai ter acesso a uma plataforma com várias outras opções de investimento para o futuro. Na maioria delas você abre a sua conta pela Internet e não leva mais que 20 minutos. Se necessário eles te pedirão cópia de alguns documentos que podem ser enviados por e-mail. Em 2 dias você já recebe a sua senha e já pode fazer os investimentos pela Internet. Fique tranquilo, pois a corretora é apenas um “agente de custódia”. Seus títulos ficam guardados na BM&F Bovespa em uma conta aberta em seu nome, caso dê algum problema com a corretora.

2. Habilite o seu cadastro no Tesouro Direto

Ao acessar o site da corretora, após ter sua conta criada, você deverá buscar a função de compra de títulos do Tesouro Direto. Você precisará cadastrar o CPF no Tesouro Direto. Algumas corretoras fazem isso através de seu próprio site. Basta seguir o passo a passo no site da corretora ou entrar em contato com a área de atendimento. Eles passarão todas as instruções necessárias.

3. Transfira os R$45 para a sua conta da corretora

Se você estiver comprando através de uma corretora, antes de efetuar a compra você precisa transferir o dinheiro para a conta da corretora. Na maioria delas essa transferência é feita através de TED ou DOC a partir do seu banco. Mas não esqueça de verificar as taxas cobradas pelo seu banco para realizar TED ou DOC. Caso o seu banco cobre alguma taxa, você pode considerar a abertura de uma conta digital. Vários bancos já oferecem essa modalidade de conta online sem custos para transações pela Internet, pergunte mais ao seu gerente.

4. Escolha o título de acordo com o seu objetivo

Diferentemente da Caderneta de Poupança, o Tesouro Nacional oferece várias opções de títulos distintos, de acordo com os seus objetivos. Eles possuem datas de vencimento diferentes, são corrigidos por índices diferentes, e oferecem opções de pagamentos de juros semestrais ou apenas no vencimento. O site do Tesouro Nacional oferece um questionário simples e prático que te ajuda a determinar quais os títulos mais adequados para você.

Recomendo que você faça o teste, mas em resumo, se está fazendo isso pela primeira vez, o título Tesouro Selic 2023 (LFT) pode ser uma boa opção (mas no momento o mínimo para a compra deste é R$92,93). Basicamente, o valor desse título acompanha o valor da taxa Selic, que é a taxa base que dita o ritmo da economia brasileira (estudaremos a Selic em mais detalhes em publicações futuras). A data ao lado do nome indica quando esse título vence. Ao emprestar dinheiro para o governo através da compra deste título, você terá a garantia de que receberá o dinheiro acrescido de juros baseado na taxa Selic. Mas você não precisa esperar até o vencimento. Esse título pode ser vendido a qualquer momento e seu preço diário, no geral, acompanha a variação da Selic mesmo antes do vencimento. Esse título é um bom começo para montar a sua reserva de emergência, como falado na publicação Reserva de Emergência.

Por outro lado, se você tem certeza que não precisará do dinheiro antes do vencimento, pode também investir em um dos títulos que garante um rendimento fixo acima da inflação (IPCA), independente da variação da inflação do período. No momento em que escrevo este texto (Jan/2018), o título Tesouro IPCA (NTNB Princ) oferece opções com vencimentos para 2024, 2035, e para 2045. Nestas datas você receberá o dinheiro corrigido conforme a taxa contratada. Esse título é mais recomendado para acumular dinheiro visando a aposentadoria ou algum objetivo de médio prazo, como a compra de um apartamento ou carro em 2024, por exemplo, evitando que o seu dinheiro perca o poder de compra até lá. Mas cuidado! Apesar de ter a rentabilidade garantida no vencimento, como o valor desse título varia diariamente, caso você precise vender o título antes desta data, pode acabar tendo que vendê-lo a um valor abaixo da rentabilidade prometida, ou até mesmo, abaixo do valor inicial investido.

Tem só mais uma coisa que você precisa saber. No vencimento do título você receberá, automaticamente na conta da sua corretora, o valor investido acrescido do rendimento contratado, já descontado o imposto de renda sobre o lucro (que é recolhido pela corretora antes do pagamento). O imposto de renda cobrado na venda de títulos comprados há menos de 2 anos varia entre 22,5% e 17,5% sobre o rendimento. Após 2 anos você só paga 15%. Além desse valor, a BM&F Bovespa cobra 0,3% por ano referente à taxa de custódia sobre o valor investido. Este valor é debitado da sua conta na corretora. A maioria das corretoras irá te avisar sobre essa cobrança por e-mail com antecedência.

5. Finalmente, compre seus primeiros R$45 do título escolhido

Mas como comprar? Algumas corretoras permitem que você compre o título através de seu próprio site. Já outras corretoras pedem que a compra seja feita através do site da BM&FBovespa. Ao buscar a opção de Tesouro Direto pelo site da sua corretora você encontrará todas as informações necessárias. Uma outra opção é entrar em contato com o atendimento da corretora. Eles irão te passar todas as informações necessárias.

Independente de comprar através da corretora ou através da BM&FBovespa, na hora da compra basta que você escolha o título desejado dentro da lista que será oferecida e indique o valor a ser investido. Você pode comprar quantos títulos quiser, inclusive uma fração de até no mínimo 0,01 de um título. Por exemplo, se um título custa R$7000 e você quer investir apenas R$70, você deve comprar 0,01 títulos desse tipo. Na tabela do site do Tesouro Direto você pode consultar o valor mínimo de compra permitido para cada título. No momento em que escrevo, o mínimo para compra do Tesouro IPCA + 2024 é de R$44,30, já o mínimo do Tesouro Selic 2023 é R$92,93.

Você já sabe onde o tesouro está enterrado. Agora, repita esta ação mensalmente e seu tesouro estará garantido no final do seu arco-íris.

Deixe sua dúvida ou comentário no campo de comentários. Terei o prazer em ajudar. E não deixe de compartilhar esse texto com aquele seu amigo que precisa de uma motivação extra.

14 respostas em “Comece a investir no Tesouro Direto com apenas R$45

  1. Pingback: Diversificação em renda variável | A Tal Independência Financeira

  2. Pingback: Como montar sua carteira de investimentos | A Tal Independência Financeira

  3. Pingback: FGC – Fundo Garantidor de Crédito | A Tal Independência Financeira

  4. Pingback: Planilha para comparar seus investimentos | A Tal Independência Financeira

  5. Pingback: CRI e CRA (eu sei, mais siglas!) | A Tal Independência Financeira

  6. Pingback: LCI e LCA, mais seis letrinhas para a coleção | A Tal Independência Financeira

  7. Pingback: O Procrastinador do Futuro | A Tal Independência Financeira

  8. Pingback: Já ouviu falar em CDB? | A Tal Independência Financeira

  9. Pingback: A tal da Selic e do CDI: entenda de uma vez por todas | A Tal Independência Financeira

  10. Melhor post de todos!
    Parabéns!

    Deixo aqui registrado que atualmente sou um grande investidor do TN. Muito do meu entusiasmo com esse tipo de aplicação veio de longas conversas com meu nobre amigo Rodrigo.

    Sendo assim, tb recomendo para todos. No início para um pouco complicado investir, mas é só seguir os passos que ele passou que dá td certo. Depois da primeira aplicação vc pega o jeitão e vai embora.

  11. Rodrigo, parabéns pelo blog! Fiquei sabendo através do facebook da Larissa, mas ainda não tinha acessado.
    Apesar do Jorge me explicar algumas coisas, eu ainda sou bem leiga no assunto. Leitura bem agradável e fácil de entender, vou acompanhar mais vezes!

    • Obrigado, Carol. Que bom que gostou. Como já falei no post “Primeiros passos para a independência”, esse é um tema que todos nós devíamos conhecer, mas infelizmente não aprendemos isso na educação formal. Fique à vontade para compartilhar com seus amigos e familiares caso tenham interesse também.

  12. Pingback: Macroeconomia do condomínio chamado Brasil | A Tal Independência Financeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s